4 de janeiro de 2019

#Poesia 38 - Backspace

Quantos “backspace” eu já usei
Quantos “enters” eu não cliquei
O que estaria escrito nas frases
Que nunca foram enviadas?
O que diria tantas palavras
Que nunca foram documentadas?
O poder de pensar antes
E evitar dizer algo que não queremos
Ou a fraqueza de não digitar
Havendo algo que jamais saberemos
O que enfim vamos digitar?
O que enfim vamos expressar?
E o que disso tudo será verdadeiro?
Pois me ensinaram
Que onde cabem palavras
Cabe qualquer sentido
De quem escreve e de quem lê
Pois ali qualquer palavra é aceita
Seja falsa, seja verdadeira
Porém, não serei prisioneira
Nesse mundo vou me aventurar
O que escrevo é sincero
Poderão em isso acreditar?
Quantos “backspace” eu já usei
Quantos “enters” eu não cliquei
Talvez para não magoar
E aquela apertada despedida
Pudesse não acontecer
É estranho pensar sobre isso
E me vem à mente todos os escritos
Meu e das pessoas
Meu coração palpita em cada tecla
Digitando estamos
Apagando estamos
E que em todos esses textos
Eu possa confiar

Texto escrito em 2012